alt

Uma nova criação debaixo dos 7 Selos 

Casamento e divórcio ficou para uma análise de Deus em uma fase derradeira do ministério do profeta William Branham. O profeta pregou a mensagem “Casamento e Divórcio” em fevereiro de 1965, ano em que partiu para o Senhor. Insisto que o fato é polêmico pois é fato da queda do homem no Jardim do Éden. Muitos descumprem o mandamento de Deus que foi falado lá no Jardim do Éden de forma enfática pelo próprio Elohim. Paulo, o doutrinador cristão enfatiza ainda mais em sua admoestação a Timóteo:

 “ Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;Não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento;Que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia(Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?); Não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo.Convém também que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta, e no laço do diabo.Da mesma sorte os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância;Guardando o mistério da fé numa consciência pura. E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis.Da mesma sorte as esposas sejam honestas, não maldizentes, sóbrias e fiéis em tudo.Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas.Porque os que servirem bem como diáconos, adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus”.

1 Timóteo 3:1-13

 nova-criacao-02

Transcrevo aqui, o texto da Vulgata latina de São Jerônino dos 5 primeiros versículos de 1ª Epístola a Timóteo 3: 

[1] fidelis sermo si quis episcopatum desiderat bonum opus desiderat [2] oportet ergo episcopum inreprehensibilem esse unius uxoris virum sobrium prudentem ornatum hospitalem doctorem [3] non vinolentum non percussorem sed modestum non litigiosum non cupidum [4] suae domui bene praepositum filios habentem subditos cum omni castitate [5] si quis autem domui suae praeesse nescit quomodo ecclesiae Dei diligentiam habebit… 

A expressão unius uxoris significa casado uma vez. “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” (Gn 2:24). 

O homem respondeu com poligamia (negando a natureza singular [UM marido, UMA esposa] do casamento) e com o divórcio… despedaçando aquela uma carne. Quando nós consideramos o divórcio como um despedaçamento de um corpo, nós temos um bom retrato do despedaçar emocional, físico, psicológico, e espiritual das almas envolvidas. 

O homem, muito rapidamente, começou a se divorciar. Em Levítico 21:7 e 14, 22:13, e Números 30:9, nós encontramos as primeiras quatro menções do divórcio. A palavra hebraica, aqui, significa “lançar fora, expulsar, arremessar fora.” Isso implica uma violenta ejeção de dentro para fora do lar. Significa mais do que uma separação. Significa  rejeição. Aparentemente, os homens nas suas luxúrias tinham desenvolvido o hábito de expulsarem a esposa que não os agradava, por alguma razão [qualquer]. 

Jesus disse: 

“31 Também foi dito: Qualquer que deixar sua mulher, dê-lhe carta de desquite. 32 Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.” (Mt 5:31-32). 

Paulo disse: 

“10 Todavia, aos casados mando, não eu mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido. 11 Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher. 12 Mas aos outros digo eu, não o Senhor: Se algum irmão tem mulher descrente, e ela consente em habitar com ele, não a deixe. 13 E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe. 14 Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos. 15 Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não esta sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz. 16 Porque, de onde sabes, ó mulher, se salvarás teu marido? ou, de onde sabes, ó marido, se salvarás tua mulher?” (1Co 7:10-16). Leia mais em: http://solascriptura-tt.org. 

Entendemos ser um problema complexo pois envolve a família em seu sentido extenso: pais e filhos e os rmédios adotados, por vezes, são amargosos. O profeta em sua mensagem “Casamento e Divórcio” , aponta a solução de Deus na mesma que São Paulo ensinou: “permaneçam no estado no qual foram chamados…” , não podemos contrariar o texto bíblico uma vez que se apresenta como condição básica para a formação da família e do Corpo de Cristo. 

O 7º anjo disse: 

72 Deus nos deu um remédio para o pecado. (Ouçam atentamente agora.) Deus deu o remédio para tirar o pecado fora da terra, porém o homem da terra não aceitou o remédio de Deus. Deus nos deu um remédio e um meio para nos casarmos com nossas esposas e vivermos com elas, porém o homem não aceitou o remédio de Deus, não aceitou Sua Palavra sobre aquilo. 73 Foi Jesus Quem disse isto. . . E isto nos faz lembrar de — de Suas Palavras, sabendo que Ele disse: “Os céus e a terra falharão (passarão), porém Minhas Palavras não passarão.” A pergunta, a resposta verdadeira que Jesus quer que voltemos, é, voltarmos ao princípio. Então aquilo seria em Gênesis, porque a palavra Gênesis é o capítulo semente para cada pergunta na Bíblia. E você, sempre tem que voltar para a semente para ver que tipo de semente está dentro do campo para descobrir o que suas colheitas serão. 

Casamento e Divórcio  

falecom@avozdedeus.org.br

- Compartilhe -

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

- Artigos Recentes -