Não foi muito tempo depois de nos mudarmos de Wolf Creek, Kentucky, onde meu pai era pastor de uma igreja Metodista, para Charlestown, Indiana, com o propósito de frequentar o Tabernáculo Branham, que conheci Rebekah, a filha do irmão Branham. Na época, eu tinha dez anos, e ela tinha a mesma idade. Logo nos tornamos melhores amigas e, praticamente todos os finais de semanas, ou ela ia à minha casa, ou eu ia à casa dela.

 

Betty Collins Phillips

                                                                                                                                

Não foi muito tempo depois de nos mudarmos de Wolf Creek, Kentucky, onde meu pai era pastor de uma igreja Metodista, para Charlestown, Indiana, com o propósito de frequentar o Tabernáculo Branham, que conheci Rebekah, a filha do irmão Branham. Na época, eu tinha dez anos, e ela tinha a mesma idade. Logo nos tornamos melhores amigas e, praticamente todos os finais de semanas, ou ela ia à minha casa, ou eu ia à casa dela.

Tanto o irmão quanto a irmã Branham me tratavam como uma de suas filhas. Compravam-me lembrancinhas e me ofereciam a mesma bondosa e amável correção que aplicavam em seus filhos. Por exemplo: certo domingo após o culto, Rebekah e eu estávamos andando pela rua Quatro em Louisville, Kentucky, com o irmão e a irmã Branham. Estávamos indo almoçar na Cafeteria Blue Boar. Eu estava calçando um sapato de salto alto vermelho que tinha uns sete ou oito centímetros de altura. O irmão Branham parou em frente à vitrine de uma loja de sapatos e apontou para um par com um salto muito mais baixo, disse: “Betty, este é o tamanho de salto que eu gosto. Não gosto de salto alto porque uma mulher não pode andar direito ao usá-los, e eles modificam seu corpo”. É claro, fiquei imediatamente constrangida com meus sapatos! Fui para casa e joguei todos os meus sapatos que tinham salto alto fora e nunca mais os usei. Agradeço a Deus por ter me mostrado a Verdade.

Frequento o Tabernáculo Branham desde os meus dez anos de idade, exceto nos cinco anos que moramos em Tucson, de 1964 a 1969, e vi muitas curas. Lembro-me vividamente de uma garota que não podia andar e veio à igreja, parecia que as articulações de seus dedos estavam se torcendo em direção ao seu corpo. O irmão Branham orou por ela e imediatamente ela se levantou e andou.

Eu estava no culto quando o irmão Edmund Way morreu. Foi uma coisa excepcional. O irmão Branham estava terminando o culto e se preparando para sair da plataforma quando de repente, a irmã Way gritou. Ela e o irmão Way estavam sentados bem à frente do púlpito, e o irmão Way havia caído ao chão. O irmão Branham desceu do altar e se ajoelhou para orar por ele e seu coração voltou a bater. Após um tempo, ele já conseguia se sentar. A irmã Way, que era uma enfermeira, disse que no momento da queda, ele não tinha mais pulsação.

Logo após meu 14º aniversário, minha família passou uma tarde na casa do irmão Branham. Eu estava com uma dor terrível na minha lateral e havia tomado remédio, mas o desconforto não cessava. Quando chegou a hora de ir para a igreja, mamãe e a irmã Branham foram em um carro com as crianças mais novas, enquanto o irmão Branham, meu pai, Rebekah e eu, fomos no outro. Não falei nada, mas quando chegamos ao Tabernáculo, estava doendo tanto que eu mal podia aguentar. Finalmente, consegui chegar à sala das mulheres onde havia um longo banco, e eu me deitei e não consegui mais me mover. Rebekah disse: “Chega, vou chamar meu pai para orar por você”. Então ela foi e chamou o diácono, que voltou com o irmão Branham, que já estava na plataforma, mas, mesmo assim, veio orar por mim. Fiquei bem imediatamente e minha dor sumiu. Esperei um tempinho e depois fui me sentar no santuário.

O irmão Branham estava pregando e ele parou para mencionar que O Senhor havia me curado. Ele disse ao meu pai e aos diáconos que eu tinha uma apendicite aguda. Foi quando ele pregou Fé é o Sexto Sentido, em 1959. Nunca mais tive problemas desse tipo.

Eu estava lá quando a Luz apareceu na parede dos fundos do Tabernáculo na pregação das Eras da Igreja. Eu estava sentada cinco fileiras para trás, no mesmo lado onde Aquilo apareceu. Duas garotas que eu conhecia estavam sentadas perto, e elas haviam contado algumas piadas que não eram muito boas. Mais tarde elas contaram que quando a Luz apareceu, elas acharam que iam cair mortas. Enquanto a Luz mudava de forma, marcando estágios diferentes das Eras da Igreja, você podia sentir a Presença do Senhor no edifício.

Houve diferentes vezes durante minha adolescência que os garotos me chamaram para sair, e em várias ocasiões, o irmão Branham me dizia se eu deveria ou não ir com eles. Poderia ser por causa do significado do seu nome ou por algum aspecto de seu caráter. Certa vez namorei com um rapaz, e mais tarde, quando não estávamos mais nos vendo, o irmão Branham me disse que isso era uma coisa boa, porque se eu tivesse me casado com ele, minha vida teria sido um inferno na terra.

Pouco tempo depois, o irmão Branham veio à minha casa e disse: “Betty, você vai conhecer o rapaz certo no Oeste, e um dia eu estarei sentado na sua sala de estar com ele enquanto você estiver fazendo bife para nós na cozinha. Entrarei na cozinha e lhe darei um tapinha no ombro, dizendo: ‘Veja como você está muito mais feliz com esse rapaz do que estaria com aquele outro.’”

Isso aconteceu há 40 anos, mas ainda tento manter bifes frescos no freezer.

No ensino médio, quando chegou a hora de tirar a foto para o álbum de formatura, recusei-me a usar a blusa tomara-que-caia que todas as outras meninas estavam vestindo. O fotógrafo falou que eu iria arruinar o livro anual porque minha foto seria diferente de todas as outras e praticamente todos da minha sala estavam zombando de mim. É claro que isso me machucou, mas eu não estava arrependida da posição que tomei.

Mais tarde, entrei em um concurso de costura e terminei em terceiro lugar no estado inteiro do Kentucky. Um dia depois, o irmão Branham ligou para nossa casa, e após falar com meu pai, pediu para falar comigo. Ele disse: “Betty, lembra-se da posição que você tomou quando foram tirar as fotos da formatura? O Senhor a recompensou deixando você vencer o concurso de costura. Ele não deixa passar nada que você faz!”

Hoje em dia tenho uma empresa de costura, e creio que a razão pela qual sempre posso me manter ocupada é porque ainda estou colhendo os frutos pela posição que tomei há muitos anos atrás. O Senhor sempre é fiel.

Rebekah me convidou muitas vezes para viajar com ela para muitos lugares do Estados Unidos para comparecer nas convenções. Eu nunca dormia enquanto estávamos no carro; eu sabia que era uma honra poder estar no carro com o irmão Branham. Sempre pude sentir a Presença do Senhor – aquele maravilhoso sentimento de paz – quando estava com ele.

Certo dia, quando o irmão Branham estava dirigindo, ele e eu estávamos conversando enquanto Paul e Rebekah dormiam. De repente, ele ficou em silêncio. Pela janela, tudo o que pude ver eram fazendas dos dois lados. Ele tirou um pedaço de papel e um lápis de seu bolso, e o colocando no assento ao lado, começou a escrever. Eu sabia que ele estava tendo uma visão, então não falei uma palavra sequer. Quando terminou de escrever, o irmão Branham esfregou sua face com as mãos, depois me disse: “Acabei de ver algo”.  Tudo isso aconteceu em 30 segundos ou menos, mas durante esse período, suas mãos não estavam no volante e ele não estava olhando para a estrada, mas o carro continuou em linha reta. Na manhã do domingo seguinte, ele explicou que o que ele viu lhe mostrou o tema para a mensagem daquela manhã, que foi A Obra Prima.

Viajei para a Califórnia com o irmão Branham, Billy Paul e Rebekah, para aqueles últimos cultos em dezembro de 1965, e lá, conheci James Phillips, o rapaz do “Oeste”, com quem me casaria. Notei-o imediatamente quando ele entrou no banquete em que estávamos porque ele estava carregando uma Bíblia, e a maioria dos adolescentes que eu conhecia eram rebeldes e não carregavam a Bíblia! Fomos apresentados um ao outro e Rebekah, sentada ao meu lado, ficou me cutucando no joelho e rindo de mim (acredito que meu rosto estava vermelho). Após o culto, ela contou ao irmão Branham e ao irmão Billy Paul sobre ele, e eles também começaram a me provocar. Eu disse: “Não sei por que vocês estão me provocando porque nunca mais vou vir à Califórnia, a não ser que o irmão Branham esteja comigo. Sei que ela não vai afundar enquanto ele estiver aqui. ”

O irmão Branham disse: “Obrigado, Betty!”

Então, ao invés de eu ir à Califórnia, James veio ao Arizona e nós nos casamos em 1967. Mudamos para Indiana em 1969, e ele foi o líder de cânticos aqui do Tabernáculo Branham por muitos anos e ainda disposto a ajudar quando necessário.

mat-curitiba-02

Outra coisa que aconteceu durante as reuniões da Califórnia em 1965, ocorreu após o culto de uma das noites, depois de voltarmos ao nosso quarto de hotel. Rebekah e eu estávamos em um quarto entre o quarto do irmão Branham e o quarto de Billy Paul, e já era tarde quando recebemos uma ligação. Como era meu aniversário, achei que fosse alguém da reunião fazendo alguma brincadeira, até que ele disse: “Meninas, estou chegando…” e disse palavras ruins. Desliguei.

Rebekah e eu arrastamos a cômoda até a frente da porta. O telefone tocou novamente, e desta vez Rebekah atendeu. Era o mesmo homem, e ela desligou rapidamente. Não queríamos incomodar o irmão Branham, e como já era tarde, achamos que Billy Paul já estava dormindo, então também não ligamos para ele. Não sabíamos que essa pessoa já havia ligado para Billy Paul, obviamente não sabendo que estávamos viajando juntos, sugerindo que talvez ele também quisesse abordar as “garotas do quarto ao lado” e ganhar acesso ao nosso quarto! Billy Paul o advertiu para ficar longe de nós, e depois ligou para o irmão Branham.

Rebekah e eu não soubemos na época, mas o irmão Branham passou a noite toda sentado com uma arma ao lado dele, vigiando nossa porta. Na manhã seguinte, no café da manhã, ele nos disse que o homem que nos ligou era muito perigoso, um predador, e que ele havia vindo à nossa porta várias vezes durante a noite. E além disso, contou-nos que o mesmo homem estava sentado no mesmo restaurante em que estávamos tomando café da manhã naquele momento. Aquilo abalou nós duas.

Muitas vezes, o irmão Branham nos disse que à noite, depois que ele orava pelos doentes, aqueles demônios que haviam sido retirados das pessoas vinham até ele por causa do que ele havia feito. Ele era capaz de sentir a presença daqueles maus espíritos, e de entender suas maneiras, e eu creio que isso o permitiu saber a gravidade do perigo que estávamos passando naquela noite, e o porquê de ele tomar as medidas que tomou para nos proteger.

Algo que sempre fica em minha mente é uma conversa que tivemos enquanto o irmão Branham, Billy Paul, Rebekah e eu estávamos saindo do culto em uma certa noite. Estávamos entrando no carro e eu estava chorando. Eu disse: “Irmão Branham, não consigo entender o porquê que nem todos podem enxergar isso.”

Billy Paul tomou a frente, e disse: “Essa eu respondo. Se todos pudessem enxergar essa Mensagem, não seria escriturístico.”

O irmão Branham disse: “Billy, se alguma vez você disse algo certo na vida, essa vez foi agora.”

Houve muitas vezes em que eu estava com o irmão Branham e ele sabia a pergunta ou o problema que estava me incomodando, e respondia mesmo que eu não tivesse falado uma única palavra. Outras vezes, ele me encorajava a dizer o que estivesse em meu coração. Quantas vezes nos últimos 40 anos desejei ter esse privilégio mais uma vez. Mas ao mesmo tempo, sei que todas as respostas que precisamos estão nas fitas, porque elas são a Comida Espiritual que foi armazenada para nós. Somente precisamos ficar com as fitas.

Este testemunho foi retirado do livro “Geração – Relembrando a Vida de um Profeta”, escrito originalmente em inglês por Angela Smith no ano de 2006 e traduzido pelo Ministério Luz do Entardecer.

Uma vez que a tradução deste material foi feita dez anos após seu lançamento, as informações sobre residência atual contidas nestas publicações podem não ser exatas.

.

http://luzdoentardecer.org/

mat-curitiba-03

Agradecimentos ao Pastor Raimundo Maia e ao Irmão

Neville Maia pela cooperação e empenho na divulgação da MENSAGEM DO PROFETA, contamos com vocês.

mat-curitiba-05

- Compartilhe -

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

- Artigos Recentes -